PROGRAMAÇÃO 2014

11. Festival de Teatro para Crianças de Pernambuco
03/07 a 03/08/2014

Sábados e domingos – 16h30

Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro)

Teatro Marco Camarotti
Rua Mq. do pombal s/n
(Sesc Santo Amaro) Tel. 81 3216-1616

Dia: 19 de Julho (Sábado) / 16h30

O Fio Mágico
Texto: Carla Denise
Direção cênica/ Direção de arte: Marcondes Lima
Elenco: Fábio Caio, Marcondes Lima, Fátima Caio
Duração: 50 minutos
Classifição etária: Livre (Recomendado para crianças a partir de 06 anos)
Realização: Mão Molenga

A encenação utiliza máscaras e bonecos em diferentes técnicas como recortes, fantoches e manipulação direta para contar a história de Gerárd, um menino impaciente que recebe o dom de adiantar o tempo manipulando o fio de sua própria vida. O Fio Mágico é uma parábola sobre o tempo e a importância de vivermos e aprendermos com todos os momentos. O espetáculo tem direção musical de Henrique Macêdo, direção geral de Marcondes Lima e é produzido pelo Mão Molenga, grupo recifense que há 24 trabalha com bonecos e formas animadas em teatro e vídeo.

Dia: 20 de julho (Domingo) / 16h30

Haru – A Primavera Aprendiz
Texto: Rhapa Santacruz & Chistianne Galdino
Direção: Marcondes Lima
Elenco: Raphael Santacruz (Mágico) e Sóstenes Vidal (Ator)
Duração: 55 minutos
Classificação: Livre (Recomendado para crianças a partir de 07 anos)
Realização: Rapha Santacruz Produções Artísticas (Recife / PE)

Em uma barraca de feira, localizada em todo lugar e lugar nenhum, ficção e realidade apresentam mescladas, descortinando um universo de mistérios. Nesse cenário múltiplo, o jovem mágico busca reconhecimento e orientação de um sábio mestre para aperfeiçoar os seus dons ilusionistas. Sem que ele perceba, cada ação que se desenrola é uma lição e um teste de magia ao mesmo tempo, que põe à prova sua vocação. O jovem aprendiz não tem consciência do seu potencial e vai descobrir junto com o público o encantamento que brota da simplicidade, num jogo lúdico onde a mágica é a verdadeira protagonista. Nesta tenda especial, teatro e ilusionismo tecem uma trama lúdica, um diálogo poético que fala a língua do sensível. HARU fala do invisível, daquilo que não é palpável, de um tempo que não se mede com os ponteiros do relógio. Mudam as estações, e HARU descobre enfim sua primavera, que sempre este ali e ele não conseguia ver. Nesse aprendizado mágico que vai além dos livros e das palavras, mestre e aprendiz constroem um universo paralelo onde a ilusão é a verdade absoluta.

Dia: 26 e 27 de Julho (Sábado e domingo) / 16h30

Iara o Encanto das Águas
Texto: Thiago Bresani
Direção: Alexandre Fávero
Atores Sombristas: Thiago Bresani e Soledad Garcia
Duração: 40 minutos
Classificação etária: Livre (Recomendado para crianças a partir de 04 anos)
Realização: Cia. Lumiato Teatro de Formas Animadas

Um índio da aldeia sonha com uma mulher sobrenatural. Ao acordar, procura o sábio Pajé para tentar entender quais são os mistérios dessa mulher, descobrindo assim a história da Iara.
No encantamento da sereia brasileira, o protagonista mergulha com ela nas profundezas do seu próprio destino.

Dia: 02 de Agosto (Sábado) / 16h30 - Estreia

As Aventuras de Mané Gostoso
Texto: Luciano Pontes
Direção / Direção Musical: Fernando Escrish
Elenco: Arilson Lopes e Luciano Pontes
Músico: Samuel Lira
Bonecos / Cenários: Rai Bento (PE/MG)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: Recomendado para crianças a partir 6 anos
Realização: Cia Meias Palavras

Mané Gostoso é um espetáculo, que conta a história de um “mutreteiro, inventador” de causos da cidade, que vive tranquilamente sua vidinha, até a chegada de um Forasteiro que lhe desafia. Na disputa o Forasteiro acaba morrendo. Mané é levado para a cadeia pelo Cabo Zé Firmino e morre, surge assim, o Anjo e o Diabo. Eles também vão disputar a alma de Mané. Será que com sua esperteza, Mané vai conseguir enganar o diabo? Essa é a prosa poética Mané Gostoso, cheia de disse me disse, de toma lá, dá cá, um texto divertido e que revela essa tradição tão nossa.

Dia: 03 de Agosto (Domingo) / 16h30

Seu Rei Mandou

Histórias / Direção: Luciano Pontes
Elenco: Luciano Pontes e Gustavo Vilar
Duração: 40 minutos
Classificação etária: Recomendado para crianças a partir 5 anos
Realização: Cia. Meias Palavras (Recife / PE)

Inspirado pela tradição oral, o espetáculo narra, com música ao vivo, humor e poesia, a trajetória de tirania, bravura, esperteza e bonanças de três reis através das histórias: A Lavadeira Real, O Rato que roeu a Roupa do Rei de Roma e O Rei chinês Reinaldo Reis. Todas recontadas e criadas pelo escritor, ator, palhaço, bonequeiro e contador de histórias Luciano Pontes, pesquisador desse ofício desde 2005, acompanhado pela flauta e tambor do músico Gustavo Vilar.

 

Teatro Capiba
Av. Professor José dos Anjos , 1109, Sesc de Casa Amarela - Casa Amarela Recife - PE
Tels. 81 3267-4400 / 81 3267-4410

Dia: 19 de Julho (Sábado) / 16h30

Salada Mista
Dramaturgia e encenação: Alexsandro Silva.
Atores - palhaços: Jerlane Silva, Flávio Santana, André Ramos, Arnaldo Rodrigues, Paula de Tássia, Douglas Duan e Davison Wescley.
Direção de arte: Marcondes Lima.
Direção Musical: Henrique Macedo
Músicos: Douglas Duan e Davison Wescley.
Duração: 60 minutos
Classificação: Livre (Recomendado para crianças a partir de 06 anos)
Realização: Cia. 2 em Cena de teatro, circo e dança

O espetáculo teatral Salada Mista é uma divertida brincadeira de criança, que mescla, música e “palhaçaria”. No palco, sete crianças recriam o clássico conto de fadas "Chapeuzinho vermelho", que acaba virando uma telenovela ambientada na década de 60. Entre um capítulo e outro o público se diverte com números de palhaços. Com música ao vivo, o espetáculo fala de amor de uma forma lúdica e divertida, discutindo questões como: conquista, namoro, casamento, traição, separação e violência doméstica.

Dia: 20 de Julho (Domingo) / 16h30

Coisas do Mar

Texto: Coleção coletiva baseada em histórias da cultura popular oral recolhidas por Câmara Cascudo, sob supervisão de Ándre Ramos, Albanita Almeida e Kattianny Torres.
Direção: Albanita Almeida e Kattianny Torres
Elenco: Albanita Almeida, André Ramos, Elton Daniel, Fernanda Fontes e Kattiany Torres
Duração: 55 minutos
Classificação: Livre (Recomendado para crianças a partir de 06 anos)
Realização: Grupo Teatral Ariano Suassuna (Igarassu / PE)

O Capitão navega com sua tripulação em alto mar, para procurar o tesouro perdido, porém a busca pelo tesouro é interrompida por situações inesperadas, que colocam o Capitão e todos os marujos em situações perigosas, em meio a tantos perigos o tão venerado e valente Capitão é devorado pelo mar e deixa seus piratas em apuros. Nesta história, de várias histórias, há um mergulho na imaginação e na
capacidade de compreender com outros olhos, alguns fenômenos que até hoje nos questionamos.

Dia: 26 de Julho (Sábado) / 16h30

Outra História de Francisco

Texto / Direção: Luiz de Lima Navarro
Coreografia: Osvaldo Castanha
Elenco: Ana Emília, Fell Silva, Gilson Lopes, João Neto e Thierry Fernandas
Duração: 50 minutos
Classificação etária: Livre (Recomendado para crianças a partir dos 04 anos)
Realização: Trupe Cara & Coragem (Cabo de Santo Agostinho / PE)

Uma trupe de palhaços, encena uma versão bem humorada da história de São Francisco de Assis, utilizando o universo do Clown, o espetáculo mostra Francisco de Assis ainda criança, que juntos com seus amigos recebem a missão de proteger os animais. Trilha sonora executada ao vivo.

Dia:27 de Julho (Domingo) / 16h30

Trueque

Direção / Direção Musical: Fernando Escrich
Atrizes Palhaças: Enne Marx e Tamara Floriano
Duração: 50 minutos
Classificação etária: Livre (Recomendado para crianças a partir dos 04 anos)
Criação e Realização: Cia Animée (Recife / PE)

Trueque e um espetáculo estruturado a partir de um feliz encontro entre palhaços e crianças. Ambas as atrizes atuam em hospitais com o grupo Doutores da Alegria e daí nasceu o desejo de trazer para o teatro um pouco do que a memória corporal guarda, momentos raros de pura beleza resultantes desses encontros, como suporte dramatúrgico.
Quando Tan Tan e Mary En chegam para o ‘Trueque’, palavra em espanhol que significa ‘troca’, em português, muita coisa pode acontecer.

 

Teatro de Santa Isabel
Pça. da República, s/n
Tels. 81 3355-3323 / 81 3355-3324

Dia: 19 de julho (Sábado) / 16h30

Branca de Neve
Adaptação/Direção: Ricardo silva
Elenco: Paloma Almeida, Reinaldo Patrício, Nady Oliveira, Pablo Souza, Raul Elvis, Ricardo Vendramini
e Gisele Brasilliano
Classificação: Livre
Duração: 60 minutos
Realização: Grupo Cênico Humantoche (Paulista/PE)

O Grupo Cênico Humantoche, fundado em 1998, unindo sempre o lúdico ao real, tendo como sua principal marca a junção de bonecos manipulados ao elenco humano (o que deu nome ao grupo), traz agora aos palcos o espetáculo fabuloso, Branca de Neve. A história de uma bela jovem que sofre com as maldades de sua terrível madrasta, que não aceita o fato de Branca de Neve ser a mais bela. Ainda bem que na vida nós sempre encontramos bons amigos.

Dia: 20 de julho (Domingo) / 16h30

Minha Cidade
Texto/Direção: Ana Elizabeth Japiá
Elenco: Adriano Cabral e Ana Carolina Miranda
Bonecos e sombras: Priscila Galvão
Classificação: Recomendado para crianças de todas as idades
Duração: 55 minutos
Realização: Grupo Teatro Marco Zero (Recife-PE)

No espetáculo teatral Minha Cidade a plateia é convidada pelos personagens Luana e Gabriel, duas crianças interpretadas por Ana Carolina Miranda e Adriano Cabral, a participar da criativa e divertida construção de uma cidade imaginária.
Na trama, cada aspecto da vida da cidade é posto em questão como peça dessa construção: paisagem natural, paisagem transformada, moradia, transporte, trabalho, governo, escola, lazer etc. E na perspectiva de cidade como organismo social, paralelamente ao seu desenvolvimento, com a utilização de formas animadas (bonecos e sombras), acompanha-se o nascimento e o crescimento do próprio indivíduo.

Dia: 26 de Julho (Sábado) / 16h30

Era Uma Vez Um Rio
Texto: Lavínnia Pannunzio (adaptação da obra homônima de Martha Pannunzio).
Encenação: Antônio Rodrigues.
Preparação de elenco e Assistência de Direção: Vinícius Vieira.
Elenco: Raul Elvis, Sônia Carvalho, Ana Gabriela, Rogério Wanderley, Monique Nascimento e Antônio Rodrigues.
Duração: 55 minutos
Realização: Cênicas Companhia de Repertório (Recife-PE)

Nesta comovente história de amor à natureza, Guto, ao voltar adulto à sua cidade natal, fica surpreso com a degradação em que seu velho amigo, o Rio, se encontra. É desse encontro que surge uma incrível viagem no tempo, onde, por meio da memória, ele irá reviver os passos deste amor, desde sua infância até os dias de hoje. Nesta jornada, Guto irá se deparar com incríveis personagens: de familiares à antiga professora e amigos dos tempos de menino. Com trilha sonora executada ao vivo, a peça revela os encantos de uma comunidade ribeirinha e suas cantigas e lendas, numa história de aprendizagem, repleta de ternura, poesia e memórias.

Dia: 27 de Julho (Domingo) / 16h30

Pluft, o Fantasminha

Texto: Maria Clara Machado
Encenação / Pesquisa Musical: Antônio Rodrigues
Elenco: Raul Elvis, Manu Costa, Antônio Rodrigues, Sônia Carvalho, Rhayanna Fernandes, Rogério Wanderley, Monique Nascimento, Biatriz Ribeiro, Ana Souza, Renata Mendes.
Duração: 50 minutos
Classificação etária: Livre
Realização: Cênicas Companhia de Repertório (Recife-PE)

A peça conta a história do rapto da Menina Maribel pelo cruel Pirata Perna-de-Pau. O vilão esconde a menina no sótão de uma velha casa abandonada, onde vive uma família de fantasmas: a Mãe, que faz deliciosos pastéis de vento e conversa ao telefone com Prima Bolha; o fantasminha Pluft, que tem medo de gente; Tio Gerúndio, que passa o dia inteiro dormindo dentro de um baú; e Xisto, o primo aviador que surge de vez em quando para ajudar os familiares. A trama se concentra na procura do tesouro do avô da menina, o Capitão Bonança, que morreu no mar deixando, a sua herança: o tesouro. Mas a grande chave da poesia teatral criada pela autora é a amizade que surge entre a Menina Maribel e o Fantasminha Pluft. Os momentos de comicidade ficam por conta dos amigos de Maribel, o trio clownesco João-Julião-Sebastião, que vai a sua procura para salvá-la.
Escrito em 1955, Pluft, o Fantasminha é a peça mais popular da dramaturga Maria Clara, e até hoje, é montada em vários lugares do Brasil e exterior.


Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
Av Boa Viagem, s/n c/ acesso pela Rua Setúbal (estacionamento)
Tels. 81 3355-9821

Dias: 19 e 20 de julho (Sábado) / 16h30

Pedrinho e a Chuteira da Sorte
Texto: Marcelo Cavalcante
Adaptação/Direção Geral: Ruy Aguiar
Direção musical: Henrique Macedo
Elenco: Ailton Brisa / Edivane Bactista / Eddy Barbosa / Henrique Burgos / Maria Eduarda Serafim / Mylena Benn / Nelma Barros / Pablo Catanho / Ragner Lira / Ruy Aguiar / Weedja Leite
Classificação etária: Livre (Recomendado para crianças a partir de 04 anos)
Duração: 1h40m
Realização: Métron Produções (Recife / PE)

Pedrinho e a Chuteira da Sorte é a história de um garoto apaixonado por futebol. Sem apoio da família para praticar o esporte, Pedrinho não desiste do sonho de ser um grande jogador. Certo dia ele recebe um presente de seu amigo, o Senhor Nenê. O presente misterioso é uma chuteira da sorte, que poderá mudar sua vida. A montagem une futebol, teatro, dança de rua, grafitagem embalados por uma trilha sonora com músicas que passeiam por estilos bem variados como: Rap, Blues, MPB e com destaque para o Hip-Hop e o Samba, este último impossível de se desvincular do Futebol. Assim, o espetáculo acontece em ritmo de campeonato, levando o espectador a vivenciar toda a emoção, o drama e as descobertas de Pedrinho.


Dia: 26 e 27 de Julho (Sábado) / 16h30

O Corcunda de Notre Dame
Texto: Victor Hugo
Direção: Tetê Nahas
Elenco: Alleandro Mendes, Flávia Costa, Igor Gois, Elisângela Santana, Regi Gondim, Paula Franssinete, Franciane Melo, Tiago Carvalho, André Aragão, Estevão Andrantos, Diogo Teles, Johnatan Rezende, Pedro Carregosa, Maria das Dores, Tetê Nahas, Karine Dantas, Edênia Gois. Atores: Sávio Luan e Jonas Henrique.
Duração: 60 minutos
Realização: Cia. de Artes Tetê Nahas (Aracaju / SE)

“O Corcunda de Notre Dame” é um musical adaptado do texto do francês Victor Hugo, que conta a história do corcunda Quasímodo, que vive enclausurado, desde a infância, nos porões da catedral de Notre Dame, em Paris. Um dia, Quasímodo decide sair da escuridão em que se encontra e conhece Esmeralda, uma bela cigana por quem se apaixona. Uma aventura que fala de amor, amizade e respeito, além dos preconceitos. Encenada por um elenco de 20 atores sergipanos, eles cantam ao vivo belas canções, e executam coreografias. Sem falar, num cenário que remete o público a Paris do século XVI, realidade que também se reflete nos figurinos e adereços. A proposta da Cia. de Artes Tetê Nahas é unir teatro, dança e música numa só pulsação. A montagem do “Corcunda de Notre Dame” transporta a plateia a momentos de riso e emoção.
A montagem foi contemplada no Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2013.

========================================================

 

Programação Polo Shopping Tacaruna

 

. Opção de adquirir o ingresso casadinha no valor de R$ 40,00 (01 adulto + 01 criança)  

Dias: 03, 05 e 06 de de julho (quinta a domingo) / 19h

Branca de neve
Adaptação/Direção: Ricardo silva                                                  
Classificação: Livre                                                     Duração: 60m.
Realização: Grupo Cênico Humantoche (Paulista/PE)

        O Grupo Cênico Humantoche, fundado em 1998, unindo sempre o lúdico ao real, tendo como sua principal marca a junção de bonecos manipulados ao elenco humano (o que deu nome ao grupo), traz agora aos palcos o espetáculo fabuloso, Branca de Neve. A história de uma bela jovem que sofre com as maldades de sua terrível madrasta, que não aceita o fato de Branca de Neve ser a mais bela. Ainda bem que na vida nós sempre encontramos bons amigos.

Dias: 07 de julho (segunda e terça) / 19h00
Seu Rei Mandou
Histórias e direção: Luciano Pontes
Elenco: Luciano Pontes e Gustavo Vilar                                                                          
Duração: 40 minutos
Classificação etária: Recomendado para crianças a partir 5 anos                                                                            
Realização: Cia. Meias Palavras (Recife / PE)

                Inspirado pela tradição oral, o espetáculo narra, com música ao vivo, humor e poesia, a trajetória de tirania, bravura, esperteza e bonanças de três reis através das histórias: A Lavadeira Real, O Rato que roeu a Roupa do Rei de Roma e O Rei chinês Reinaldo Reis. Todas recontadas e criadas pelo escritor, ator, palhaço, bonequeiro e contador de histórias Luciano Pontes, pesquisador desse ofício desde 2005, acompanhado pela flauta e tambor do músico Gustavo Vilar.

Dias: 09, 10, 11, 12 e 13 de julho (quarta a domingo) / 19h
Pluft, o fantasminha
Texto: Maria Clara Machado                                              Direção: Antônio Rodrigues                                                                     
Duração: 50 minutos                                                                                                                          
Realização: Cênicas Companhia de Repertório (Recife-PE)

                A peça conta a história do rapto da Menina Maribel pelo cruel Pirata Perna-de-Pau. O vilão esconde a menina no sótão de uma velha casa abandonada, onde vive uma família de fantasmas: a Mãe, que faz deliciosos pastéis de vento e conversa ao telefone com Prima Bolha; o fantasminha Pluft, que tem medo de gente; Tio Gerúndio, que passa o dia inteiro dormindo dentro de um baú; e Xisto, o primo aviador que surge de vez em quando para ajudar os familiares. A trama se concentra na procura do tesouro do avô da menina, o Capitão Bonança, que morreu no mar deixando, a sua herança: o tesouro. Mas a grande chave da poesia teatral criada pela autora é a amizade que surge entre a Menina Maribel e o Fantasminha Pluft. Os momentos de comicidade ficam por conta dos amigos de Maribel, o trio clownesco João-Julião-Sebastião, que vai a sua procura para salvá-la.

Escrito em 1955, Pluft, o Fantasminha é a peça mais popular da dramaturga Maria Clara, e até hoje, é montada em vários lugares do Brasil e exterior.

 

Dias: 14, 15 e 16 de julho (segunda a quarta) / 19h


Era Uma Vez  Um Rio
Texto: Maria Clara Machado                                                                                      Direção: Antônio Rodrigues                                                                     
Duração: 50 minutos                                                                                                                          
Realização: Cênicas Companhia de Repertório (Recife-PE)

                Nesta comovente história de amor à natureza, Guto, o voltar adulto à sua cidade natal, fica surpreso com a degradação em que seu velho amigo, o Rio, se encontra. É desse encontro que surge uma incrível viagem no tempo, onde, através da memória, ele irá reviver os passos deste amor, desde sua infância até os dias de hoje. Nesta jornada, Guto irá se deparar com incríveis personagens: de familiares à antiga professora e amigos dos tempos de menino. Com trilha sonora executada ao vivo, a peça revela os encantos de uma comunidade ribeirinha e suas cantigas e lendas, numa história de aprendizagem, repleta de ternura, poesia e memórias.

Dias: 17 e 18 de julho (quinta e sexta) / 19h
As Roupas do Rei
Texto: Ana Cláudia Vasconcelos       Diretor:  Luiz Navarro
Músico: João Pedro
Duração: 50 minutos
Classificação etária: Recomendado para crianças a partir de 5 anos                                   
Realização: Ponto de Memória Galpão das Artes (Limoeiro / PE)

          O  espetáculo "As Roupas do Rei" conta a história de um menino que se detém, no meio da correria da grande cidade, para observar uma cena prosaica: uma mulher estendendo roupas num varal - roupas estranhas, coloridas, exóticas, de um outro tempo. A curiosidade instiga o menino a começar uma conversa, e logo descobre que tudo aquilo pertence ao Rei, um rei nada convencional que gosta de comer pastel e andar de skate. Todos os episódios da vida do Rei são encenados por bonecos num palquinho que se descortina no meio do varal e fazem despertar no menino uma questão inquietante: "Será que eu também sou Rei?". A conclusão não tarda: "Se todo menino se sentir especial como um Rei e querido como um Rei, então todo menino também pode se considerar um Rei”.

Dias: 19 e 20 de julho (sábado e domingo) / 19h
Outra História de Francisco
Texto e direção: Luiz Navarro
Duração: 45 minutos
Classificação etária: Recomendado para crianças a partir de 3  anos                                     
Realização: Trupe Cara&Coragem (Cabo de Santo Agostinho / PE)

          Uma trupe de palhaços, utilizando o universo do Clown, encena de forma bem humorada a história de São Francisco de Assis, que ainda criança, juntos com seus amigos, recebem a missão de proteger os animais. Um espetáculo teatral que transporta crianças e adultos para o universo da beleza, poesia e alegria.

 

Dias 21 de julho (segunda) / 19h
Meu Reino por um drama
Texto: Cícero Belmar                                                                              Direção:Ruy Aguiar
Classificação:Livre                                                                                  Duração: 50 minutos
Realização: Metrón Produções (Recife / PE)

Meu Reino Por Um Drama éum clássico do teatro pernambucano. Escrito pelo jornalista Cícero Belmar e direção de Ruy Aguiar, é uma fábula musical que conta a história de uma Abelha Rainha em crise por achar que a sua vida é boa demais. Em busca de um drama, deixa a colmeia para tentar uma nova vida. A partir daí, se depara com várias situações, como a tentativa de fazer novas amizades. Na sua busca pessoal encontra as Joaninhas e as formigas, e começa a perceber que o mundo fora da colmeia parece não ser tão amigável como imaginava. A transformação vem das experiências dramáticas vividas. O humor, o drama e a música pontuam todas as situações vividas pelas personagens.

Dias 22 e 23 de julho (terça e quarta) / 19h


Disse Me dança
Autor: Em Cena Arte e Cidadania         Direção: Marcus Rodrigues        Coreografias: Mieja Chang e Valéria Medeiros
Classificação: Livre                                                                                    Duração:
Realização: Em Cena Arte e Cidadania (Recife / PE)

    Em Cena Arte e Cidadania comemora 15 anos, com o espetáculo Disse me dança. O repertório é baseado na literatura infanto-juvenil do autor pernambucano Luciano Pontes. O espetáculo revela a passagem das primeiras brincadeiras de infância, seguindo pelas descobertas da adolescência até chegar os desafios e conquistas da juventude.

 

Dias 24 e 25 de julho (dias alternados) / 19h
Meu Reino por um drama
Texto: Cícero Belmar                                                                              Direção:Ruy Aguiar
Classificação:Livre                                                                                  Duração: 50 minutos
Realização: Metrón Produções (Recife / PE)

Meu Reino Por Um Drama éum clássico do teatro pernambucano. Escrito pelo jornalista Cícero Belmar e direção de Ruy Aguiar, é uma fábula musical que conta a história de uma Abelha Rainha em crise por achar que a sua vida é boa demais. Em busca de um drama, deixa a colmeia para tentar uma nova vida. A partir daí, se depara com várias situações, como a tentativa de fazer novas amizades. Na sua busca pessoal encontra as Joaninhas e as formigas, e começa a perceber que o mundo fora da colmeia parece não ser tão amigável como imaginava. A transformação vem das experiências dramáticas vividas. O humor, o drama e a música pontuam todas as situações vividas pelas personagens.

Dias 26 e 27 de julho (sábado e domingo) / 19h
Chiquinho o Caranguejo Ensacolado
Texto:Edivane Bactista                                                                 Direção Geral: Ruy Aguiar
Classificação: Livre                                                                       Duração: 50 minutos
Realização: Metrón Produções

Chiquinho, o caranguejo ensacolado estimula o público a refletir sobre a relação entre o homem e a natureza. O texto conta a história de um peixinho chamado Jerimum, que nadava tranquilamente com sua amiga Estrela até ser atingido por uma garrafa PET. E, de um caranguejo chamado Chiquinho que quase morre asfixiado depois de ficar preso em uma sacola plástica. Assim começa o drama de Chiquinho, o caranguejo ensacolado, espetáculo teatral que utiliza técnicas de animação e de interpretação para tratar, de maneira leve e lúdica, o tema da ecologia. A peça interage com as crianças e as convida a repensar sua relação com o meio-ambiente. Depois de se acidentarem por causa do lixo, Chiquinho e Jerimum se unem a várias outras criaturas marinhas para lançar uma campanha de respeito à natureza.

Dias 28 e 29 de julho (segunda e terça) / 19h
Meu Reino por um drama
Texto: Cícero Belmar                                                                              Direção:Ruy Aguiar
Classificação:Livre                                                                                  Duração: 50 minutos
Realização: Metrón Produções (Recife / PE)

Meu Reino Por Um Drama éum clássico do teatro pernambucano. Escrito pelo jornalista Cícero Belmar e direção de Ruy Aguiar, é uma fábula musical que conta a história de uma Abelha Rainha em crise por achar que a sua vida é boa demais. Em busca de um drama, deixa a colmeia para tentar uma nova vida. A partir daí, se depara com várias situações, como a tentativa de fazer novas amizades. Na sua busca pessoal encontra as Joaninhas e as formigas, e começa a perceber que o mundo fora da colmeia parece não ser tão amigável como imaginava. A transformação vem das experiências dramáticas vividas. O humor, o drama e a música pontuam todas as situações vividas pelas personagens.

 

Dias: 30 e 31 de julho; 01, 02 e 03 de agosto (quarta, quinta, sexta, sábado e domingo) / 19h


Pedrinho e a Chuteira da Sorte
Texto:Ruy Aguiar                                                  Diretor: Ruy Aguiar
Classificação:Livre                                                Duração: 70 minutos
Realização: Métron Produções

                Pedrinho e a Chuteira da Sorte é a história de um garoto apaixonado por futebol.  Sem apoio da família para praticar o esporte, Pedrinho não desiste do sonho de ser um grande jogador. Certo dia ele recebe um presente de seu amigo, o Senhor Nenê. O presente misterioso é uma chuteira da sorte, que poderá mudar sua vida. A montagem une futebol, teatro, dança de rua,  grafitagem embalados por uma trilha sonora com músicas que passeiam por estilos bem variados como: Rap, Blues, MPB e com destaque para o Hip-Hop e o Samba, este último impossível de se desvincular do Futebol. Assim, o espetáculo acontece em ritmo de campeonato, levando o espectador a vivenciar toda a emoção, o drama e as descobertas do garoto Pedrinho.